Real is the new black

Colocado em

Estava a meio de um post em que explicava que não tenho tido tempo/disposição para escrever, porque com dois bebés em casa e nesta fase inicial de muito cansaço não tem sido fácil.

Estava a escrever uma data de coisas que até fazem sentido, que não são mentira…mas não são a verdade. A verdade é uma coisa chata de tão verdadeira que é e às vezes custa. É assim mesmo e a verdade é que nos últimos tempos tenho-me sentido pouco capaz de falar de coisas mais leves e até de sair de casa à vontade.

Dei por mim a pensar “Serei eu a única pessoa a passar por isto?” Esta fase em que não caibo em roupa nenhuma ainda, em que a barriga ainda está enorme e cheia de riscas, em que não consigo ver-me numa única fotografia e em que ando a fugir de espelhos?

Não me interpretem mal, não podia estar mais grata pela vida que tenho e pelos meus dois filhos maravilhosos. Têm sido os melhores anos da minha vida, mas têm sido também anos de desafios, de descoberta interior e de inseguranças e complexos. Isso mesmo.

Há uns anos atrás, antes de estar grávida, aumentei muito de peso e depois de aparecer na televisão para cantar fui enxovalhada na internet. Por todo o lado lia comentários maldosos, alguns em letras maiúsculas a dizerem que eu estava, passo a citar : “obesa”. Naquele dia senti-me o pior que possam imaginar e fui para a cama a soluçar e a sentir-me horrivel.

O mundo consegue mesmo ser cruel com as pessoas, e a internet cria muito esta falsa ilusão de que podemos dizer tudo sem consequências. Pois bem, as coisas têm consequências e muitas vezes essas consequências são destruidoras.

Emagreci, voltei à minha forma e ignorei tudo o que se dizia sobre mim e agora, uns anos depois, quando me encontro nesta posição de insegurança e vulnerabilidade quis-me proteger. Não queria aparecer, recusei todos os convites e mais alguns que envolvessem ser fotografada e andei, como disse, a fugir dos espelhos.

À bocado enquanto me preparava para publicar o post com as 500 mil desculpas sobre o porquê de não andar a escrever pensei : “O que é que eu estou a fazer?” Porque é que eu me sinto obrigada a esconder e a mentir uma coisa tão natural como esta? Como é que eu me proponho a fazer um blog sobre a realidade das coisas e depois não sou capaz de falar sobre elas?

“Que se lixe” Este é o post que QUIS fazer e esta sou eu agora.

It’s ok not to be ok

E agora, passinho a passinho vamos lá trabalhar para voltar à forma.

Obrigada por continuarem aí,

Carolina

  • Partilhar

30Comentários

  1. Carla says:

    Parabéns carolina por não te esconderes.
    Muitas de nós passamos por isso.
    Eu passei, escondia o peso a mais ou achava que o fazia, Não queria sair de casa com vergonha do meu tamanho, mas vergonha de quê? Esta sou eu, a realidade de uma mamã recente, enorme, inchada, mas feliz e realizada.
    Com o tempo tudo volta ao normal
    Beijinhos

    1. Cristina says:

      Querida Carolina, és um exemplo. Um exemplo de mãe coragem que mostra aos filhos e ao mundo que o importante não são as gordurinhas que ficam… porque essas com o tempo vão rápido embora. Que mostra que há valores mais altos que a vaidade. Só uma pessoa com o coração cheio de amor pode dar esse exemplo. Benditas gordurinhas que nos deram os nossos filhos. Somos lindas. Da tempo ao tempo.agora é tempo dos bebes.rapidamente vai tudo ao lugar.triste de quem n percebe isto.😘

  2. Carolina Franco says:

    Os meus parabéns Carolina! Não é qualquer pessoa ainda mais sendo conhecida, que mostra a realidade ao mundo. És linda de qualquer jeito! Acabaste de ter um lindo bebé e é super normal não quereres aparecer nas fotografias por não te sentires bem. Mas isso irá mudar, e como falaste, passinho a passinho, vais lá. 🙂 Beijinhos! 😘

  3. Angela says:

    Brilhante! Um obrigada de coração!!! Um texto tão simples mas com um alcance do tamanho do mundo. Do mundo das pessoas normais.
    Já chega desta pressão que colocam nas mulheres…. Eu ainda passo por isso após 10 meses de ter sido mãe. E até já caibo em roupa, mas comprada de novo. Porque a minha continua lá. Um dia caberei novamente num 38.ate lá contento-me com um 42…
    Obrigada Carolina. De coração. Bravo!

  4. Joana says:

    A verdade é que as mães”fit” que aparecem lindas, maravilhosas e super magras 2 dias depois do parto desmotivam qualquer uma 🙁 Passado um ano do parto ainda não estava no meu peso inicial, mas já resolvi o meu problema e engravidei outra vez :p

  5. Andreia Cruz says:

    Ola Carolina. Que bom partilhares essa luta que todas nós passamos quando somos mamãs… umas recuperam mais facilmente outras levam mais tempo. No entanto, sentimos sempre essa pressão de recuperar a silhueta o mais rápido possível… eu fui mãe ha 15 meses e ainda estou nessa luta. Falta de força de vontade e ânimo. Não ter tempo para me cuidar e arranjar como antes e olhar para o espelho e não gostar daquilo que vejo… é assim que vivo nestes últimos tempos… mas tu vais recuperar e voltar ao teu peso habitual😉 vai nos dando dicas do que podemos fazer para ir recuperando a nossa forma e sentirmo nos melhor connosco próprias!! Beijinho

  6. Sofia Marques says:

    O texto mais verdadeiro que já li <3 A sociedade mete tanta pressão em cima dos ombros e a vida é tão linda para se viver com esse peso…
    Que texto lindo!!!

  7. Mara says:

    Para além claro da tua Voz que me cativou desde os idolos, gosto imenso do que dá a conhecer, ou do que és como pessoa. Mostrar os teus me dos e frahilidades como qualquer outra pessoa, tu tb sentes. Adoro a tua força e admiro-te como pessoa e mãe. Continua assim és simplesmente magnifica e tenta que as vocês de burro não te afetem. Força Carolina

  8. Ines Dionísio says:

    Gosto mais de ti todos os dias. Parabéns pelos teus príncipes. Parabéns pela família linda que tens. Parabéns por seres assim, mulher.

  9. CC says:

    À medida que a vida se desenrola, vai propondo-nos desafios maiores. Mesmo que achemos que conseguimos lidar com eles é impossível não nos sentirmos pequeninos perante coisas que desconhecemos. Todas as mudanças levam as mulheres a questionarem-se. Algumas a esconderem-se. Ainda que isso seja só temporário. (e as hormonas também não ajudam. nada!). O mundo não é muito tolerante com as pessoas, e os corpos, fora do padrão. Mas, assim como às imagens que não encaixam em modas, há almas que não são iguais às outras. Keep your alive. And beautiful! Um beijo Carolina e um aplauso pela coragem feminina. Emanas luz. O resto é o resto 🙂

  10. Rita says:

    Carolina não se deixe abater. há sete anos atrás quando tive a minha filha fiquei esquelética com o desgaste das noites mal dormidas. Também ouvi muitos comentários que em nada respeitavam a minha condição mas sobrevivi. Hoje estou novamente grávida e os meus problemas são outros, legítimos e de uma nobreza bem maior do que os que se prendem com o peso com que ficamos. Do que leio que escreve vejo-a com uma cabecinha arrumada, sei que não se deixará abater por comentários mal intencionados. Desejo as sinceras e maiores felicidades para si e para os seus. Superior, sempre!

  11. Mara Sabino says:

    Vamos quebrar barreiras?? Vamos mostrar ao mundo que as mulheres são bonitas de qualquer maneira e feitio? Desafio a todas as mulheres/senhoras/meninas a tirarem uma fotografia a preto e branco ao tronco sem qualquer pudor. Em que a legenda poderia ser: “Sem preconceitos, sem pudor”
    Que acham da ideia????

  12. Lara Paixão says:

    Está linda, maravilhosa. Engordei imenso, fiquei cheia de estrias, mas valeu a pena, beijinhos e sem complexos porque ser mãe também é isto 🙂

  13. Ana Paula says:

    Carolina, estás linda!
    Estou a passar a mesma situação!
    Ter 2 filhos seguidos é dose!
    Tenho a Mariana com 23 meses e o Rafael com 4meses!
    Somos umas guerreiras!
    Estamos juntas!!

  14. Daniela Mendonça says:

    Parabéns pela coragem… És real e pessoas reais são para a vida Toda. 🙂

  15. Sinda de Barros says:

    Olá Carolina gosto muito de ti. Amo a música “A vida toda” e o meu pequenito também.
    Parabéns pela tua linda família.
    Apenas um conselho de alguém mais velho:
    Reserva a tua vida e a tua intimidade para ti e para os teus.
    Quando chegares a essa conclusão pode ser tarde.
    Há muita gente maldosa e que fica contente com as coisas menos boas que nos acontecem.
    Guarda apenas aquilo que merece ser recordado.
    Nem tudo é o que parece.
    Muitas felicidades para o Santi e o Benji.
    Beijinhos

  16. susete dos Santos says:

    Como a compreendo Carolina.
    Belíssimo post.
    Posso ajuda la a perder a barriga e peso.
    Vamos a isso???? 😊😊
    Inner balance e SLim extreme ha ouviu falar?
    Fale comigo eu explico lhe tudo, Carolina, não se vai arrepender.
    Um beijinho grande

  17. Susana says:

    Parabéns pela coragem Carolina! Porque como figura pública, a pressão para se ter “o corpo perfeito” deve ainda ser maior do que no caso das anónimas como eu – uma mãe de dois filhos, que antes deles tinha uns abdominais invejáveis! Mas hoje, com esta minha barriga longe da boa forma, com celulite, estrias, cabelos brancos… Sou uma mulher muito mais confiante e mais interessante do que quando tinha 20 anos e menos 10 quilos em cima – é claro que nem toda a gente consegue ver isso 🙂 Mas o meu corpo é meu e eu gosto dele por inteiro, como ele é, com os defeitos que me fazem única, com as marcas que contam a minha história de vida. A tua barriga é linda, Carolina! 🙂 E quer ela encolha ou não, tu sabes que o que te define como mulher é muito mais do que apenas pele.

  18. Lubélia says:

    Parabéns! Parabéns! Parabéns!
    Revejo-me!
    Muitas felicidades!

  19. Lisete Coelho says:

    Passamos todas por uma fase em que nos sentimos mal conosco após o parto… umas porque ficam com quilinhos a mais, outras, como eu, que de tão magra que fiquei nao me podia ver (e ainda estou em fase de reaceitação de mim própria), é o preço da maternidade e que arrisco dizer que tidas estamos dispistas a pagar porque a recompensa é a melhor do mundo. Com o tempo o corpo tende a voltar quase ao que era… força por todas nós, mães sem photoshop 😉

  20. Inês Rocha says:

    Adorei o texto e partilhei! Mais digo, que sortuda que é ao ter essa barriguinha! Tenho um filho com 19 anos e recuperei relativamente depressa a figura. Agora, aos 41 e basicamente com a mesma figura que tinha aos 23, decidi embarcar novamente nessa maravilhosa aventura de ser mãe . Perdi duas gravidezes no espaço de um ano e ganhei curvas que não tinha porque as hormonas não perdoam, em especial nesta idade. Não gosto tanto de me olhar ao espelho, mas porque isso me lembra de dois sonhos desfeitos. Quem me dera ver a minha barriga assim, fofinha, pois significaria que teria sido mãe novamente à três semanas atrás. A gordura na barriga vai e vem, um filho é uma alegria que fica para sempre. Ainda não desisti, porque não há duas sem três! Por agora dieta, exercício e estabilidade hormonal. Mas para o ano…ah, para o ano espero conseguir ter uma barriga assim, um templo lindo da maternidade! Muitos parabéns, e usufrua deste momento maravilhoso. Os que tiram a alegria com comentários depreciativos, olha…que vão fazer meninos! 🙂

  21. Susana Pedro says:

    Parabéns 😘 força. Adoro as músicas e a tua voz é maravilhosa.

  22. Marisa Barreto says:

    Carolina, nesta fase da sua vida, nao ligue aos comentarios de quem nao tem nada para fazer, para alem de “mexericar” na vida dos outros. Ser māe é a melhor benção que uma mulher pode ter. O corpo com o seu tempo irá ao lugar. Fui māe há 2 meses do meu terceiro filho, e ainda estou a recuperar, confesso que é angustiante olhar para o roupeiro e nao ter uma unica peça de roupa que nos sirva… e sentir os “olhares indiscretos” dos conhecidos a controlar se já fomos ao lugar! Mas, paciência… nao é a imagem exterior que faz de nós melhor ou pior pessoa, mas sim o nosso coração e esse sim tem de estar repleto de afeto, amor e paz. Força e nao se deixe influenciar por más energias. Um grande beijinho e continue com o seu sorriso iluminado.

  23. Sofia Mendonça says:

    Carolina descobri o teu blog através deste post que tanto foi falado pelas melhores causas e digo te o que estás a passar pode ser quase uma autodestruição interior porque não nos sentimos confortáveis connosco mesmo… Eu sentia me constantemente mal ao ver me ao espelho.. as vezes acordava e ia ver se já tinha diminuído mais um bocadinho a barriga ou não cheguei ao cúmulo disto e de chorar e de não me sentir bem comigo própria… É aquela vontade de evitar os espelhos mas ao mesmo tempo ver se estamos melhor ou não a nível de volume… Mas pior mesmo era as pessoas a minha volta… “ah ficaste tão grande”, desde uma simples ida ao médico em que apanhava pessoas conhecidas ou até numa ida ao cabeleireiro… E isto acontece especialmente se vivermos em vilas pequenas que todos se conhecem quase… Até mesmo umas horas depois de ter tido a minha Matilde até faziam daquelas piadas sem piada nenhuma “ainda vem aí outro ou que?!” ou “tens a certeza de que era só um não ficou aí o outro dentro da barriga esquecido?”…depois e logo aquele tipo de pessoas que pensam que estão ajudar mas no fundo só estão a piorar a forma como nos sentimos “porque não usas te logo cinta!? Agora é mais difícil” ou até mesmo chegou a acontecer com pessoas mais idosas dizerem “tens a barriga maior que eu que já tenho não sei quantos anos”. Isto não é bonito de se ouvir e destrói mesmo… Eu ficava tão mal… As vezes até respondia com tom um bocado revoltada “eu acabei de ter uma filha há um mês e normal” mas no fundo parece que todos a minha volta queriam fazer ver que não era normal a minha aparência … Tambem me questionei na altura se seria a única no mundo a passar por isto… Porque parece que todas que iam ter os bebes saíam de la iguais todas “chupadinhas” e eu ainda parecia que não tinha tido bebe nenhum… Com isto quer dizer te que tens de ser forte porque no fundo parece que são pessoas que so se sentem bonitas quando realçam os nossos defeitos ou neste caso recuperação após parto… Vale tudo a pena pelos nossos filhos acredita ☺ despertaste-me o interesse e tive que ler mais posts teus e tenho adorado porque identifico-me bastante porque a minha filhota só tem 20 mesitos. Força es uma mulher corajosa e cheia de garra não deixes pessoas frustrada destruírem essa essência que habita em ti! Es um exemplo de mãe parabens!

  24. Eliana says:

    Carolina desde ja os meus parabéns por teres sido mae novamente. Infelizmente a sociedade em que vivemos consegue ser muito maldosa… estamos sujeitos a todo o tipo de comentários. Parabéns pot mostrares o corpo não acho mal nenhum as curvas. Pois sao as curvas mais lindas que uma mulher pode ter…eu também as tive e ainda tenho.. nem toda ad mulheres depois s.de serem maes voltam ao peso normal . Beijinhos

  25. Ana says:

    PARABÉNS!!!
    Pela mãe, mulher e pessoa humana e linda que és.
    Obrigada pela sinceridade, por mais nua e crua que ela seja.
    Obrigada por dares voz às mães reais que somos, que enfrentamos a dureza dos espelhos e ainda mais a dureza dos olhares e comentários recriminatórios.

    Parabéns Carolina.

  26. Telma Costa says:

    não ligues à ignorância das pessoas, os cães ladram e a caravana passa…
    tb sou mãe, tenho 30 anos, dois filhos, um menino com 9 anos e uma menina com 17 meses, é claro que sou mais forte tenho mais estrias e celulite, azar…. são marcas de amor, de muito amor….
    bjinhos tu és uma mulher linda, sorri 😉

  27. M Irene Costa says:

    Parabéns Carolina, são poucas as palavras para descrever tudo o que sentimos, fui mãe apenas uma vez há 21 anos, e dava tudo para ter voltado a ser mãe, as marcas do corpo são o que menos importa quando amamos o que somos MÃES. Beijinhos grandes e felicidades

  28. Luís Fonseca says:

    Parabéns Carolina!! Continua assim verdadeira contigo e com os outros porque a honestidade faz-nos maiores, faz-nos reais e como disseste; “real is the new black”! 😉

  29. S.F. says:

    Hehe. És uma miúda linda, de qualquer jeito 🙂

Deixe um comentário

O endereço de email não será publicado.